Inscrições abertas para o Workshop de Música Católica



O “Projeto Levi” convida, adolescentes e adultos musicistas a participarem do “Workshop de Música Católica”, que acontecerá no dia 14 de julho (sábado), das 14h às 19h, Centro Educacional 02 do Guará I (GG). O evento reunirá convidados qualificados para compartilharem conhecimentos musicais teóricos e práticos, que podem ser aplicados no dia a dia do serviço dos músicos e nas paróquias do Distrito Federal. São eles: Júnior Parente (canto), Fabrício Aredes (teclado), João Marcos (guitarra/violão), Flávio Anastácio (contrabaixo) e Rick Macedo (bateria). As inscrições podem ser feitas aqui.

Os inscritos serão separados em turmas, a serem montadas conforme a área de interesse de cada. Integrantes, organizadores e convidados poderão compartilhar os desafios do cenário musical na Santa Igreja Católica no bate-papo do coffee break, momento em que será marcado pela troca recíproca de experiências. A inscrição individual, que possui o valor de R$17,00 inclui o lanche e o certificado de participação.

Sobre o Projeto Levi
Criado em 2009, a iniciativa de amigos da música católica tem o objetivo de promover formação musical, espiritual e litúrgico-musical para os musicistas da capital federal. Vinculado à Paróquia São Paulo Apóstolo (PSPA), do Guará I, é atualmente acompanhado pelo pároco Padre Sérgio Murilo. De origem hebraica “Lêwi”, o nome “Levi” significa “juntar”, ou ainda “hillaweh”, com a definição “unir”.

Serviço – “Workshop de Música Católica”:
Data: 14 de julho (sábado)
Horário: 14h às 19h
Local: Centro Educacional 02 do Guará I (GG)
Endereço: QE 07 Área Especial "M", Guará I (ao lado da Paróquia São Paulo Apóstolo)
Classificação: Livre

Informações:
WhatsApp: (61) 99629-8227 – Adilson / (61) 99836-2569 – Júnior / (61) 98319-2126 – Thiago

PERCEPÇÃO MUSICAL PARA CANTORES

por: autor desconhecido [*]
Quero começar esta aula com a seguinte pergunta: o que é percepção para você? Vou dar algumas dicas. Tudo o que nossos ouvidos conseguem captar, todos os tipos de sons imagináveis, correspondem a uma capacidade muito importante do ser humano, a capacidade da percepção auditiva. Graças a ela, você pode se situar e se adaptar num ambiente escuro, ou perceber acontecimentos que estão longe de nosso campo de visão, por exemplo. Nossos ouvidos devem funcionar como anteninhas que detectam tudo o que acontece á nossa volta, nos tornando assim pessoas mais alertas. Tente imaginar uma situação em que você está sozinho, numa rua escura e deserta; uma boa percepção auditiva pode auxiliá-lo a tomar uma atitude diante de um possível perigo. Portanto, fique ligado! Agora, vamos falar da percepção que você, músico consciente, precisa ter na ponta da língua, ou melhor, na ponta da orelha! Falo da percepção musical, a arte de perceber ritmos e melodias.
Para um cantor, a percepção melódica consiste em reproduzir fielmente, através da voz, os sons sucessivos que seus ouvidos estão captando, ou produzir com a voz sons que se encaixem no contexto musical que está ouvindo, contexto este a que chamamos de harmonia. O trabalho de percepção é um dos primeiros realizados em uma aula de canto, Afinal, cantar afinado e com as notas certas deve ser o objetivo de qualquer cantor.
Quando escutamos um cantor que não está afinado de acordo com a harmonia da música que está cantando, isso nos deve soar, no mínimo, estranho. Tente comparar esta situação á de uma pessoa que deseja ir para a Zona Norte de São Paulo, mas que por falta de informação acaba tomando o caminho rumo á Zona Sul. Este exemplo ilustra a importância de se pensar numa aula de canto para corrigir esta falha gravíssima de percepção. Se somos capazes de guardar tantas informações do cotidiano, por que não podemos também gravar os sons musicais? Digo isto por que conheço muitas pessoas que não conseguem perceber que o que elas cantam não corresponde ao que escutam. Essas pessoas precisariam aprender a comparar o que cantam com o que escutam. Por exemplo: se você quer cantar uma música de seu cantor favorito, procure ouvi-la atentamente por várias vezes, não tente cantar com a gravação logo de cara, pois isto não permite que você perceba detalhes essenciais da música. Quando cantar junto á gravação, cante num volume de voz baixo, para que consiga escutar o cantor e você simultaneamente, e possa, assim, fazer a comparação entre ambos. Depois de um tempo, tente gravar a sua voz e compará-la com a gravação profissional.
É lógico que este exercício não tem a profundidade de uma aula de canto, mas já o ajudará a perceber melhor a sua voz. A percepção rítmica também é muito importante, pois indica as acentuações e prolongamentos necessários para uma boa interpretação.
Desta forma, dá para se perceber que sem percepção musical rítmica e melódica, você levaria no máximo o ‘troféu abacaxi’, como diria nosso saudoso Chacrinha!
Se você quer realmente cantar, pense nisso com muito carinho.

[*] – Nota: Os editores do Projeto Levi não localizaram informações acerca do autor deste artigo. Qualquer contribuição acerca desta informação será bem-vinda.

Mais um evento com a Graça de Deus!

Hoje, 10/03/18, foi dia de mais aprendizado com os irmãos Pedro Farias e João Marcos. Aconteceu mais um evento Workshop Básico de Sonorização Para Igrejas.
Ei, vc que saiu de sua casa hoje para nos brindar com a sua preciosa presença participando deste evento, sentimos que o coração de Jesus também se alegrou! Receba nossa gratidão!

Reze por nós do Projeto Levi

Deus abençoe cada um de vcs!

Projeto Levi promove Workshop Básico de Sonorização



O Projeto Levi, preparou para o mês de março um evento especial: Workshop Básico de Sonorização para Igrejas.

Este workshop é aberto a todos, mas especialmente voltado para as Igrejas (músicos, bandas, ministérios, animadores de liturgia, líderes de Igrejas, aprendizes e interessados).

O evento tem como objetivo de capacitar as pessoas a conhecerem mais dos conceitos de áudio e dos recursos dos equipamentos de som das igrejas e também capacitar aqueles que se voluntariam ou que são iniciantes em operação de som.

Para conduzir este evento e partilhar seus conhecimentos e experiências, convidamos os músicos e técnicos de som: João Marcos e Pedro Farias, ambos com grande conhecimento técnico e prático em áudio e equipamentos de som, uma vez que além de exercer o ministério de música, lidam com a parte de sonorização em eventos da Igreja Católica.

Entre os assuntos que serão abordados, estão: Som (características básicas), ondas, frequências, posicionamento dom som (ambiente e reverberação), características dos equipamentos (padrão polar de microfone, mesa, amplificador, estrutura de ganho...), parte prática e muito mais.

O grande diferencial do curso é seu baixo custo (R$ 15,00) por pessoa e o fato de demandar pouco tempo das pessoas interessadas, apenas 04 horas de duração.

Para participar é necessário fazer a inscrição neste link (https://goo.gl/7mHYCG) e realizar antecipadamente o pagamento da taxa de inscrição (R$ 15,00 por pessoa).

O evento acontecerá sábado, dia 10 de março, a partir das 14h, no subsolo da Paróquia São Paulo Apóstolo, Guará I – DF.

Informações: 61 98319-2126 / 61 99629-8227

Realização:
Projeto Levi

A solenidade de Cristo Rei

A solenidade de Cristo Rei é relativamente recente. Em 1925, o papa Pio XI instituiu a festa de Cristo Rei num contexto histórico complexo, entre duas grandes guerras de proporções nunca antes vistas. O mapa politico transformado pelo crescimento do comunismo, nazismo e fascismo.  Culturalmente o mundo estava desesperançado. O niilismo crescia na filosofia e nas artes. Por que neste contexto foi reafirmado o primado de Cristo sobre os reinos do mundo? O que significou naquele momento e o que significa ainda hoje celebrar a realeza de Cristo?

Se Cristo é Rei, de que reino estamos falando?

Quando rezamos no Pai-nosso “venha a nos o vosso reino”, completamos (quase que dizendo o mesmo de forma diferente) com “seja feita a vossa vontade”. Porque o reino de Deus é fazer a Sua vontade. Entra e permanece neste reino aquele que faz a vontade de Deus. Esta vontade de Deus se realiza plenamente em Jesus. Por isso o Reino de Deus é também o Reino de Cristo, pois ele acolheu com sua total obediência o cumprimento da vontade de Deus. E também por isso, o anuncio apostólico não se detém em pregar o Reino de Deus mas sim o Cristo crucificado (1COR 1, 24).  Jesus tornou-se para nós poder de Deus e sabedoria de Deus; podemos mesmo dizer que ele tornou-se o inicio e o modelo do Reino.

Mas como explicar a realidade que vivemos tão distante deste Reino? Tão desigual, tão desesperançada? Realmente o Reino ainda está por vir em muitos sentidos. Há muito que se ordenar segundo a vontade Deus individual e socialmente. Mas todo cristão é apaixonado pelo Reino e deve buscar este Reino em três campos de construção. O mundo, este lugar especial de realização do Reino, deve tornar-se de fato “o mundo do nosso Senhor Jesus Cristo”. Um mundo livre do pecado, que deforma a humanidade. Construir o Reino no mundo é exaltar a dignidade humana, a justiça e a paz. É, principalmente, deixar o rosto do Cristo estampar-se sem feridas no rosto de cada ser humano.

Mas também precisamos buscar o Reino de Deus na Igreja. É preciso fazer prevalecer nela a obra de Deus sobre a do homem. A Igreja precisa ser fermento e sal. “A diferença entre a Igreja e o mundo não é que uma pertence a Cristo e o outro não; mas que a Igreja sabe que lhe pertence e o mundo não”, nos recorda Raniero Cantalamessa. Por isso Santo Agostinho afirmava: a Igreja é o mundo reconciliado.

Mas também individualmente procuramos o Reino de Deus. Mas como? Seguindo exemplos simples como o do “bom ladrão” que em sua humildade realiza uma singela, mas profunda profissão de fé em Cristo: lembra-te de mim. Construir individualmente o Reino é tornar nossos dias semelhantes ao evangelho de MT 25, 31-46. É estar sensível ao outro e as suas necessidades. “Comida é agua e bebida é pasto, você tem fome de quê?”, cantavam os Titãs na explosão do rock nacional nos anos 80. Sensibilizar-se é desalojar-se para que em nós more o outro. Sua fome e sede são nossas. Sua nudez é nossa. Seu desabrigo, sua doença, sua miséria são nossas. Sua solidão é nossa. “Ninguém vai ao Pai senão por mim”, afirmou Jesus. Mas podemos estender dizendo que ninguém chega a Cristo se não for através do outro, do próximo. E nisto consiste a verdadeira religião onde brilha o senhorio de Cristo. Assim consiste a realeza de Cristo em nossas vidas. Para este ponto move-se a história do mundo: para esta plenitude, este ponto ômega, onde ouviremos “vinde benditos de meu Pai! Recebei em a herança o Reino que vos está preparado desde a criação do mundo!”.

Augusto Cezar

Músico da banda DOM, compositor, escritor de 3 livros, professor e palestrante. Não sou nada do que realizei. Fui e sou tudo o que amei e amo. Além disso, não sou mais nada. www.augustocezarcornelius.com.br