Inscrições abertas para o Festival de Música Católica!











A Paróquia São Paulo Apóstolo do Guará I – DF, realiza pela primeira vez o Festival de Música Católica Canto em Missão em homenagem ao padroeiro. A final do Festival acontecerá dentro das comemorações do jubileu de 50 anos da Paróquia. Os interessados devem se inscrever até o dia 30 de outubro no site (www.projetolevi.com.br). A inscrição é gratuita.

De acordo com os organizadores, o objetivo do Festival é “descobrir e revelar novos talentos na música católica, para promover a evangelização através da música”. Segundo o regulamento, as músicas que participarão do festival deverão ser composições autorais (originais), com conteúdo totalmente cristão, com temática missionária, em homenagem ao carisma missionário de São Paulo Apóstolo.

O concurso será realizado em duas etapas: a primeira é seletiva, a Comissão de Seleção vai selecionar 12 canções para serem apresentadas ao vivo, conforme critérios e requisitos solicitados no regulamento; e a segunda será a etapa final, as doze músicas concorrerão entre si.

As apresentações acontecerão no dia 30 de novembro de 2019 (Etapa final), conforme informa o regulamento. Todas as apresentações acontecerão no pátio da Paróquia São Paulo Apóstolo, no Guará I – DF, a partir das 16h00, quando ao final do festival, serão premiadas as melhores apresentações e interpretações.

Primeiro lugar receberá R$ 3 mil; 2º lugar, R$ 2 mil; 3º, R$ 1 mil; 4°e 5° lugares receberão cestas de produtos de Evangelização.

Leia ou baixe o REGULAMENTO

Para mais informações, entre em contato pelo fone (61) 99836-2569 ou envie e-mail (cantoemissão@gmail.com).

Realização:
Paróquia São Paulo Apóstolo
Projeto Levi

CANTO NA SANTA MISSA


Entrada: A finalidade deste cântico é dar início à celebração, favorecer a união dos fiéis reunidos e introduzi-los no mistério do tempo litúrgico ou da festa, e ao mesmo tempo acompanhar a procissão de entrada do sacerdote e dos ministros. (IGMR - Nº 47).

Ato Penitencial: Trata-se de um canto em que os fiéis aclamam o Senhor e imploram a sua misericórdia, é executado normalmente por todos, tomando parte nele o povo e o grupo de cantores ou o cantor. (IGMR - Nº 52).

Glória in excelsis: O Glória é um antiquíssimo e venerável hino com que a Igreja, congregada no Espírito Santo, glorifica e suplica a Deus e ao Cordeiro. Não é permitido substituir o texto deste hino por outro. (IGMR - Nº 53).

Salmo Responsorial: A tradicional execução do Salmo Responsorial é dialogal: o povo responde com um curto refrão aos versos sálmicos, cantados por um solista. Deve ser cantado ou proclamado do ambão ou de outro sítio conveniente. (IGMR - Nº 61).

Aclamação ao Evangelho: A aclamação constitui um rito ou um ato com valor por si próprio, pelo qual a assembléia dos fiéis acolhe e saúda o Senhor, que lhe vai falar no Evangelho, e professa a sua fé por meio do canto. O Aleluia canta-se em todos os tempos fora da Quaresma. (IGMR - Nº 62).

Preparação das Oferendas: O canto do ofertório acompanha a procissão das oferendas e se prolonga pelo menos até que os dons tenham sido colocados sobre o altar. As normas para a execução deste cântico são idênticas às que foram dadas para o cântico de entrada (cf. n. 48). (IGMR - Nº 74).

Santo: Não basta conter a palavra “santo” para ser cantada como Santo. É preciso dizer três vezes: “Santo, Santo, Santo”. Devemos evitar usar como o "Santo" músicas como; "Eu celebrarei"; "Hosana"; "Santo dos Anjos"; "Santo é Senhor Javé".

Cordeiro de Deus: A invocação acompanha a fração do pão; por isso, pode-se repetir quantas vezes for necessário até o final do rito. A última vez conclui-se com as palavras dai-nos a paz. (IGMR n. 83).

Canto de Comunhão: Enquanto o sacerdote toma o Sacramento, dá-se início ao cântico da Comunhão, que deve exprimir, com a unidade das vozes, a união espiritual dos comungantes, manifestar a alegria do coração e realçar melhor o carácter «comunitário» da procissão daqueles que vão receber a Eucaristia. O cântico prolonga-se enquanto se ministra aos fiéis o Sacramento[74]. Se se canta um hino depois da Comunhão, o cântico da Comunhão deve terminar a tempo. (IGMR - Nº 86).

Canto Final: A reforma conciliar pôs o "Ide em paz" como última fórmula da celebração, e seria ilógico um canto neste momento, pois a assembleia está dispensada. Durante a saída do povo, o mais conveniente seria um acompanhamento de música instrumental. O canto final é facultativo, podendo ser um canto a Maria, ao padroeiro, de envio, devocional.

Acompanhe-nos:
* Insta: @projetolevioficial
* Face (fanpage): @projetolevi
* Face (perfil): fb.com/projlevi

[ ÚLTIMA SEMANA! ] Inscrições até sexta, 23/08!!!

 Inscreva-se!

O Workshop será ministrado pelos músicos Augusto Cezar e Filipe Freire, da Banda DOM. Ambos com vasta experiência e com uma trajetória de mais de 20 na música junto à banda. Como palestrantes os músicos têm viajado pelo Brasil e ministrado cursos ligados à música e à evangelização, partilhando o conhecimento adquirido ao longo de sua trajetória. 

No decorrer da programação serão abordados assuntos, como: Aspectos espirituais, litúrgicos e técnicos no ministério de música. E no dia do evento os participantes poderão levar seus instrumentos musicais para participar de uma apresentação de encerramento. 

O evento será realizado no dia 24 de agosto, a partir das 13h, no Teatro da Praça (ao lado da Praça do Relógio em Taguatinga Centro – DF). Para participar, basta fazer a inscrição, CLIQUE AQUI!


Participe! 

Release dos Convidados:

Augusto Cezar Cornelius
Músico formado pela UFRJ em violão clássico e integrante da Banda DOM. Já gravou inúmeros CDs e DVDs. Dedica-se ao violão e guitarra MIDI, aplicando a tecnologia à música. Professor há mais de 25 anos, tendo formado muitos alunos e desenvolvido projetos extracurriculares junto a escolas. Já publicou três livros.

Filipe Freire
Bacharel em Música pela UERJ e com Licenciatura em Educação Artística pela mesma universidade, atua como músico, produtor, arranjador e professor, tendo participado de inúmeros projetos, shows e gravações em trabalhos de artistas como Zé Ramalho, Luis Carlos Sá (da dupla Sá e Guarabira), Ana Carolina, Zizi Possi, Nando Reis, Quarteto Maogani, entre outros. Nos últimos 20 anos tem se dedicado à música religiosa, produzindo musicalmente eventos como “Deus é Dez” e participado de gravações e projetos de evangelização através da música. Em 1999 formou, juntamente com Augusto Cezar e Fred Pacheco, a banda Dom na qual foi produtor musical e arranjador de todos os álbuns gravados.

Sobre o projeto: 
O Projeto Levi, é uma iniciativa de amigos da música católica que incentiva e promove momentos de formação musical e espiritual para os músicos de Brasília e região. Criado em 2009, encontra-se vinculado à Paróquia São Paulo Apóstolo - Guará I, tendo como apoiador o então pároco, Pe. Sérgio Murilo. 

Workshop - Espiritualidade e Serviço 
Com: Augusto Cezar e Filipe Freire, da Banda Dom 
Data: Sábado, 24 de agosto de 2019 
Hora: 13h00 às 19h00 
Local: Teatro da Praça em Taguatinga Centro – DF 

Contatos: 
61 99629-8227 ( WhatsApp)
61 99836-2569 ( WhatsApp)

4 RAZÕES PARA VOCÊ PARTICIPAR DE EVENTOS DE FORMAÇÃO













1. IMERSÃO

Se você é daqueles que está decidido, disposto a investir em seu talento, em seu ministério, uma das maneiras é mergulhar e buscar aprimoramento. É definitivamente uma das melhores maneiras para que possa crescer em sua arte de servir. Oficinas de música, encontros e workshops oferecem uma série de benefício. E quando deixamos de participar, deixamos também de ganhar, de (re)aprender e de atualizar nosso chamado e serviço.

2. INSIGHTS

Participar de momentos de formação é algo fundamental e enriquecedor. Você tem acesso a informações super úteis para o serviço de músico na igreja e na evangelização. Nestes momentos é necessário que você esteja atento, faça anotações, gravações e capture o máximo de informações possíveis.

3. CONEXÕES

Nada melhor do que estabelecer conexões e estar cercado de pessoas interessadas e que se preocupam com a formação e com o desenvolvimento do talento recebido de Deus (Cf. Mt. 25). Nesses momentos de formação você encontra cantores, instrumentistas, compositores, cada um com uma experiência nova e edificadora. E esse é o momento para se criar uma aproximação, porque quanto mais pessoas motivadas e dispostas tivermos ao nosso lado, melhor.

4. INVESTIMENTO/CONHECIMENTO

É importante investir em seu ministério, fazer render/multiplicar seu talento. Pode parecer um custo ter que participar de momentos de formação, sentar e ouvir alguém, ler um livro, pagar uma taxa de um determinado encontro. Mas se você pensar bem, é um investimento! Se você ama o que faz, passa a entender que precisa se preparar e se aperfeiçoar cada vez mais.

[3] “Quem tiver notado em si mesmo esta espécie de centelha divina que é a vocação artística de poeta, escritor, pintor, escultor, arquitecto, músico, ator…, adverte ao mesmo tempo a obrigação de não desperdiçar este talento, mas de o desenvolver para colocá-lo ao serviço do próximo e de toda a humanidade.” (Carta do Papa João Paulo II aos Artistas, 1999).

7 conselhos de Santo Agostinho para o músico católico



E se o doutor da Igreja encontrasse um dos músicos que toca na missa aos domingos, ou aquele jovem que está lançando seu primeiro CD, o que diria?
1 – “Aceita a tua imperfeição. É o primeiro passo para alcançares tua perfeição”” Santo Agostinho Serm. 142, 10
Vivemos na era pós-digital! Nos acostumamos a “melhorar” as fotos com filtros e ferramentas que manipulam a realidade. Corrigimos imperfeições na nossa aparência, compartilhamos uma vida idealizada, escolhemos com cuidado as informações do nosso perfil. Somos tentados diariamente a nos esquecer das nossas imperfeições, as pequenas e as maiores. Santo Agostinho nos afirma que o primeiro passo não é varrê-las para baixo do tapete, excluindo o que não queremos que ninguém saiba de nós como se não existisse mas assumirmos nossas limitações. “Se tu te enalteces, Deus se afasta de ti; se ao invés tu te abaixas, Deus se curva em direção a ti! “
2 – “O que buscas na tua ambição? Se Deus não te bastas com que poderás te contentar?” Serm. 105 3,4 Santo Agostinho
Cuida dos teus pensamentos! São os “filhos do coração”, nos lembra o bispo de Hipona. Cuidado com o que desejo. “Só é lícito pedir o que é lícito desejar”, atenção para não querer fazer Deus de cúmplice das tuas ambições. A única “ambição” do cristão deve ser servir. Não a si mesmo mas a Deus e ao próximo.
3 – “Buscas a Deus na Igreja ou a ti mesmo?” Santo Agostinho 137, 9
“A Igreja é o mundo reconciliado”, não tente perverter o corpo de Cristo. Não se esqueça que a casa de Deus é uma casa de oração, não um templo de vendilhões. Não instrumentalize o espaço da Graça. A Igreja é mãe e devemos ter com ela o respeito e amor devidos. Só assim poderemos viver um encontro pessoal e verdadeiro com o Criador. “Não esqueças que a única razão para ser cristão é a vida eterna”.
4 – “Ser cristão não é conquistar Cristo, mas deixar-se conquistar por Ele. Deixa que Ele conquiste em ti, que Ele conquiste para ti, que Ele te conquiste.” Santo Agostinho in ps. 149, 10
Lembre-se que em tempos de empoderamento e auto-suficiência a mensagem que nos chega deste santo do séc. IV é de esvaziamento de si mesmo. Deus é tudo em todos. A conversão não é fruto do esforço humano mas um dom derramado por Deus e acolhido e respondido por nós. É Ele quem vem primeiro em nosso encontro como foi no jardim em que Agostinho ouviu a cantilena das crianças dizendo: toma e lê. Ao que ele assentiu tomando as epístolas de São Paulo e encontrando ali o rumo para sua vida em Cristo.
5 – “Ama e diz o que quiseres!” Santo Agostinho in epíst. ad Gal. 57 6,1
Ah o repertório do CD? A conversa com o sacerdote? Subir no palco para cantar a palavra de Deus? Não se  preocupe. Deus fala quando nós nos calamos. “Quer que Deus se ponha ao seu lado? Põe-te ao lado Dele então”, nos lembra Agostinho. Se por ao lado de Deus é se colocar ao lado do amor. Não só ao lado mas por cima e por baixo, por fora e por dentro. O amor será nosso guia. Amor nos conduzirá e conduzirá nosso canto. Que o Amor seja que sabemos cantar. Porque “cantar é próprio de quem ama”.
6 – “Aquele que nos fez, nos refez” Santo Agostinho Epíst ad Darium
Nós somos o pote mas Cristo é a fonte. Ele é tudo para nós. Seu caminho é duro mas seguro. A Ele dirigimos toda nossa atenção e oração. Ele é a vida da nossa vida, a alma da nossa alma. “Oramos a Ele, por Ele e N’Ele. Oramos com Ele e Ele pra em nós!” (In ps. 85, 1). Que não seja mais eu que vivo mas Cristo que viva em mim.
7 – “Quando fazemos a vontade de Deus, faz-se a vontade de Deus em nós.” Santo Agostinho Serm. 58, 4
Quantas vezes ouvi: devemos fazer a vontade de Deus, é a vontade de Deus isto ou aquilo. E no entanto, com o passar do tempo e colhendo os frutos só ví brigas, ambições e vaidade. Fazer a vontade de Deus não é usar a Deus para revestir os meus desejos com um brilho que não é meu. Fazemos vontade de Deus esvaziando a nossa vontade. E assim a vontade se realiza não apenas através de nós mas em nós. E vontade de Deus é que sejamos salvos e participantes da conversão dos nossos irmãos. Para que estes também alcancem a plenitude da salvação oferecida em Cristo.


Augusto Cezar

Músico da banda DOM, compositor, escritor de 3 livros, professor e palestrante. Não sou nada do que realizei. Fui e sou tudo o que amei e amo. Além disso, não sou mais nada. www.augustocezarcornelius.com.br