O PELOTÃO DE FRENTE

A função do ministério de música é marchar à frente, abrindo as trincheiras do inimigo, para que o exército de Deus possa entrar e destruí-lo. Nele, observamos as seguintes qualidades:

• Não se acovarda;
(Quando nos acovardamos, desprezamos o Senhor e a força que vem do alto.)

• É obediente;
(Que se faça somente a vontade de Deus!)

• Está consciente da batalha espiritual;
(Existe realmente uma batalha espiritual sendo travada e a nossa arma é a oração)

• Faz retiradas estratégicas;
(Quando notamos que a música está sem unção e falta unidade, é melhor recuar)

• Procura não errar a rota;
(Não existe erro de rota maior que a desobediência à Igreja)

• Nunca perde de vista seu General;
(Quando isso acontece, o pelotão desgoverna todo o exército que vem atrás)

• Está sempre à serviço do exército, que é a Igreja.
(O pelotão está à serviço do batalhão e não o contrário)


TENTAÇÕES DO MÚSICO

É através das tentações, dos sofrimentos, das tribulações; é abraçando todos os dias a nossa cruz, que seremos achados fiéis e obedientes. O Senhor não promete retirar-nos as tentações, mas meios de suportá-las.

1.VAIDADE “A ninguém posso ceder a minha Glória”
Isaías 48, 11b

2.CIÚMES O músico se irrita diante do Dom do outro e ainda por cima passa à pensar que faria melhor.

3.IMPUREZA DE INTENÇÃO Servir à Deus buscando outros interesses. Nossa motivação em servir à Deus deve ser o amor à Jesus e ao irmão.

4. AGIR NA CARNE Não agir conforme a ação do Espírito Santo.

5. FALTA DE COMPROMISSO É levar uma vida sem oração, sem vínculos com a Igreja e sem compromisso com o Senhor.

6. SERVIR À DEUS PELA METADE É não possuir confiança absoluta em Deus, buscando outras seguranças.

7. SERVIR À DEUS EM PECADO Não testemunhar com a vida aquilo que se canta.

8. RETER PARA SI É o egoísmo de reter os conhecimentos e técnicas do ministério só para si.

9. VOLTAR À VIDA VELHA É o esfriamento da chama do primeiro amor.

10. AGIR SEM AMOR É a falta de transparência para com Deus, com o próximo e consigo mesmo. Não podemos disfarçar o que está dentro de nós.

A MÚSICA É INTERCESSÃO

Pelos acordes, instrumentos musicais e nossas vozes, realizamos uma súplica à Deus para que seu poder curador e libertador seja derramado.
Todo servo de Deus na música tem o serviço de tornar sua oração intercessória e deve deixar que o próprio Senhor conduza o seu canto. Existem três fases distintas da intercessão:

IDENTIDADE
O Músico deve ser humilde o bastante para se identificar com a realidade e o problema das pessoas pelas quais intercede.

AGONIA
Não existe carisma sem dor e sacrifício.

AUTORIDADE
É ter uma profunda intimidade com Deus à ponto de sempre obedecer a sua voz.

O servo de Deus na música não pode se esquecer que seu canto é uma oração, quem age em nós para interceder, quem nos move e nos anima é o próprio Espírito Santo.

MINISTRAR A MÚSICA COM PODER

1. O QUE SIGNIFICA SER MINISTRO?
É representar à Deus. Representamos Jesus no campo da música, somos ministros do louvor. O ministro de Deus é escolhido para fazer a vontade do Senhor e não a sua própria vontade.

2. REQUISITOS PARA MINISTRAR COM PODER

2.1 UNÇÃO
(presença de Deus) UNÇÃO SACERDOTAL: para consagrar e oferecer os sacrifícios ao Senhor.

UNÇÃO RÉGIA: para vencer todos os “Golias”.

UNÇÃO DOS LEPROSOS: para a cura dos sofrimentos do povo de Deus.

UNÇÃO DE JESUS CRISTO: ministrar como homem, mas depender totalmente da unção do Espírito Santo.

UNÇÃO DO LEIGO: no nosso batismo recebemos a tríplice unção dada a Jesus Cristo.

UNÇÃO NA MÚSICA: deixar cair primeiro no coração de quem a executa e convencer-se primeiro; é necessário que a música seja primeiramente ministrada para si mesmo.

2.2 SANTIDADE Arma principal para a batalha espiritual

- Oração;
- Eucaristia;
- Sacramento da reconciliação;
- Jejum ou Penitência.

3. QUALIDADES PARA MINISTRAR COM PODER


HUMILDE “Importa que Ele cresça e diminua eu.” (Jo 3,30)

DISPOSTO Fazer tudo de bom agrado, nunca pensando em agradar aos homens, e sim à Deus.

OBEDIENTE Obediência ao corpo hierárquico da Igreja.

RECONCILIADOR Não ser somente aquele que perdoa, mas também o que promove a reconciliação.

QUE DIALOGA Falar na hora certa e saber escutar.

DESAPEGADO “É maior felicidade dar que receber.”(At. 20, 35)

COMPROMETIDO Assumir o ministério como prioridade, ser perseverante e responsável.

TER VIDA DE ORAÇÃO Ministério de música sem oração, fatalmente cairá no erro de não saber e nem fazer a vontade de Deus.

INSPIRAR CONFIANÇA E SEGURANÇA Ter segurança interior.

PACIENTE Saber esperar com esperança, com paz e com conhecimento de que Deus pode realizar em nós e por nós.

TER BOM OUVIDO Ter senso de melodia, afinação e de ritmo.

4. PREPARO PARA MINISTRAR COM PODER

 1º Passo: Buscar os Sacramentos (Reconciliação e Eucaristia).
 2º Passo: Santificação pessoal, vigílias, penitências ou jejuns.
 3º Passo: Espírito Santo, reunir para ensaios e oração, ser o primeiro a chegar e o último a sair, aquecimento vocal.

5. MINISTRAR A MÚSICA COM PODER NO GRUPO DE ORAÇÃO
O mais importante é ficar atento ao que o Espírito Santo quer como direção. No Grupo de Oração encontramos 4 linhas de força:

a) Encontro com Jesus:

• Levar cada um a desejar um encontro pessoal com Jesus, pois muitos vem para buscar cura, pedir pelos seus problemas e se esquecem do encontro pessoal com Aquele que tudo pode. b) Louvor:
• Principal momento, ocupando nunca menos que 30 minutos;
• Louvor através da Bíblia, da música, pingue-pongue, desencadeado e em línguas.

c) Espírito Santo:

• É o condutor da reunião de oração
• Se o ministro da música não se deixar conduzir pelo Espírito Santo, ele não cumprirá sua missão.

d) Os Carismas:

• Buscar pelo Espírito Santo;
• Importância da Oração em línguas que nos abre a outros dons;
• O canto em línguas que não é forçado, mas parte da inspiração do Espírito que anima o povo, tem um ápice e termina suavemente, mansamente sem exageros.

6. DICAS PARA MINISTRAR COM PODER

a) Sintonia e Harmonia: Atenção à Pregação para a música ser uma continuidade da mesma e não um “show” à parte.

b) Postura:

• Não vestir-se exuberantemente, mas com simplicidade;
• Evitar conversas paralelas que não estejam no contexto do evento e nem brincadeirinhas;
• Não fazer gestos exagerados, nem escandalosos.

c) Sobre o Ministério:

• Não trocar com freqüência os componentes;
• Ter organização interna;

d) Comentários: Comentar a música com breves palavras.

e) Rezar as canções: Trabalhar a música com orações, onde o ministro se sentir inspirado.

f) Escolha dos cânticos:

• A música não pode ficar fora do contexto do assunto que está sendo trabalhado;
• Iniciar com cantos alegres e animados;
• A transição das animações para as interiorização deve sempre ser gradativa;
• Tomar cuidado para a música não virar tapa buracos, pois em muitos momentos o que o Senhor está pedindo é o silêncio. É muito melhor a qualidade que quantidade.

g) Música Instrumental: Colocá-la no momento certo com o intuito de mostrar Jesus e não o músico.

h) Alegria:

• O coração e o rosto do músico devem transbordar alegria, pois não convence ninguém um cantor ou instrumentista que ministra com o rosto carrancudo e carregado;
• A tristeza pode matar uma reunião de oração ou um retiro espiritual;
• Mesmo enfermos devemos vestir roupa de festa e ter um semblante alegre para servir o Senhor.

A MÚSICA UNGIDA

A música influencia diretamente o comportamento das pessoas. Através dela pode-se facilmente dizer aquilo que é necessário com uma maior aceitação da mente e da natureza do homem.

a) A influência da música no cérebro humano.
As diferentes áreas e suas reações:

HEMISFÉRIO COMUM HEMISFÉRIO ESQUERDO HEMISFÉRIO DIREITO

• É a base do sistema nervoso;
• É a parte mais primitiva, de onde partem reações violentas, bruscas, instinto de defesa e afetividade;
• Predomina o ritmo. • Raciocínio lógico;
• Controla o lado direito do corpo ;
• Predomina a letra, não importando a melodia, ou o ritmo. • Criatividade;
• Sensibilidade;
• Melindroso;
• Predomina a suavidade, beleza e profundidade da melodia.

b) A influência dos sons e sua intensidade
Para comandar o corpo humano, o cérebro ativa ainda algumas glândulas espalhadas no corpo humano, com suas funções específicas: hipófise, pineal e secreção interna. Algumas notas musicais bem acentuadas afetam certas partes do corpo humano:

 Dó – Glândula Pineal
 Ré – Hipófise
 Mi – Coração, Pulmão
 Fá, Sol – Estômago, Intestino
 Lá – Fígado, Vesícula
 Si – Sexo, Aparelho Reprodutor

A música pode ser usada até de modo terapêutico para ativar órgãos ou glândulas do corpo humano. É preciso portanto, que descubramos a música como instrumento para tocar o psíquico das pessoas, para tocar os seus corações, o centro de suas decisões, o seu “eu” profundo, para então Deus curar, libertar e confortar.

c) O mal corrompe a música

Lúcifer = chefe da música celestial, encharcado de orgulho e vaidade acabou sendo expulso do céu.
À partir do momento que a música parou de levar o louvor ao Senhor, perdeu o sentido de estar entre aqueles que não cessam de louvar o Deus misericordioso.

d) A música usada por Davi

• Davi possuía um ministério de música organizado e bem treinado – 4.000 músicos;
• Tinha coordenadores consagrados à música;
• Teve unção suficiente para derrubar “Golias”.

e) A música usada com unção

A música ungida tem poder para derrubar qualquer tipo de barreira, qualquer muralha. Ela pode desfazer até problemas humanamente impossíveis, pode converter corações mais duros que a rocha.

DOM DO DISCERNIMENTO NA MÚSICA

Nenhum carisma é bem utilizado se não tiver discernimento. O músico necessita do Dom do discernimento para saber escolher as músicas, levar a assembléia à oração, para ver com os olhos de Deus se o povo está oprimido e precisando de uma música que liberta, enfim, para conduzir o povo para os caminhos do Senhor.
O que é discernir? = Vem do Grego, que quer dizer “colocar em prova”, “diferenciar”, “escolher”. Para termos o discernimento é necessário renovar a nossa mente para podermos separar e examinar o que é do mundo e o que é de Deus.

Na luta espiritual temos três tipos de influência:

 A influência que emana do Espírito Santo;
 A que vem de nosso próprio espírito humano;
 E a que procede do espírito maligno.

Como separar estes três sopros que podem existir dentro de nós?
Para Discernir é preciso que o músico seja ÍNTIMO de Deus.

O MÚSICO DEVE FORMAR OUTROS

O Canto cristão precisa ser ouvido pela Terra inteira e isso só acontecerá se houver o efeito multiplicador, ou seja, que cada servo de Deus forme outro. E para formar ou sermos formados é preciso:
• Cursos;
• Seminários;
• Aprofundamento na Palavra de Deus;
• Aprofundamento nos documentos da Igreja.
Tudo isso não só individualmente, mas com todo o grupo.
O lugar mais importante para o discípulo é aos pés do mestre. Sem escutar, é impossível ser discípulo. O discípulo é totalmente dependente e guiado pelo Espírito Santo, deve tratar à Deus de papai. E esta é a nossa missão, formar discípulos íntimos de Deus.

MÚSICA LITÚRGICA – CANTO NA MISSA

 Canto de Entrada: deve ser alegre e de louvor à Deus.
 Ato Penitencial: Meditação simples, não demorado e cheio de fervor.
 O Glória: Canto de Alegria, contendo Glória ao Pai, Filho e Espírito Santo.
 Salmo: É uma resposta à 1ª leitura e nunca deve ser substituído por cântico de meditação, à não ser que tenha o mesmo contexto.
 Aclamação: Exceto no tempo da Quaresma, a aclamação mais utilizada é o Aleluia.
 Profissão de fé: Pode ser cantada, desde que contenha os principais pontos da fé católica.
 Ofertório: É um dos cânticos menos importantes, pois o grande ofertório da missa é após a consagração.
 Santo: É o canto mais importante da missa, uma aclamação feita exclusivamente à Deus Pai.
 Consagração: O mais importante são as palavras e os gestos do celebrante, o canto é opcional.
 Amém: É a resposta final e deve ser feita com vigor e alegria.
 Pai Nosso: o canto é opcional
 Cântico de Paz: Deve ser um canto que expresse alegria e amor ao irmão.
 Cordeiro: Se for cantado deve ser rigorosamente a letra original.
 Comunhão: Canto de oração e recolhimento que deve ressaltar Jesus presente no vinho e pão, não podendo ser muito animado.
 Ação de Graças: É opcional.
 Final: É um canto de alegria que ressalta a necessidade do envio missionário.

Quem quer trabalhar na música para Deus; lembre-se que o principal papel de um Ministério de Música é servir na liturgia.

CONCLUSÃO

Uma nota musical não realiza nada sozinha, mas um conjunto de notas organizadas harmoniosamente formam uma música. O Senhor é o Maestro e se nós nos unirmos formaremos o canto novo que Ele quer fazer ressoar pela face da Terra.

BIBLIOGRAFIA

 TAUNNUS, Roberto A., TANNUS, Neusa A. de O., SOUZA, Aldenor de / Formação Espiritual de Evangelizadores na Música – Aparecida, SP: Editora Santuário, 1996.
Compartilhe: